São Silvestre e o novo Desafio #npp

Padrão

Oi pessoal!

Como vocês sabem, esse ano corri pela segunda vez a São Silvestre! Ano passado, como participei do Vida Corrida (documentário da Globonews) e eles me filmaram durante todo o percurso, foi bem intenso, tive que me concentrar para dar meus depoimentos, foi muito emocionante! E gostei tanto da prova que não poderia deixar de fazê-la novamente!!!

Minha preparação não foi muito diferente do que já estava fazendo nos dias anteriores. Como iniciei a dieta do Nutricionista há algumas semanas, não saí dela. Os treinos permaneceram os mesmos, só fiz algumas distâncias mais longas alguns dias antes da prova pra me habituar, alguns exercícios educativos e um pouco de musculação.

No dia, fiz meu café da manhã habitual (crepioca e café com adoçante), tomei maltodextrina e bastante água antes da prova. Chegamos à Paulista uns 40 minutos antes da prova e estava simplesmente LOTADA:

15723443_1425546210788700_3166453383750270596_o

Um MAR de corredores de todas as raças, idades, etnias, vários fantasiados, com a família, cachorro… a São Silvestre é de longe a corrida mais DEMOCRÁTICA de todas, porque não restringe acesso e atrai pessoas de todos os tipos. É uma farra!

Mas ninguém, por mais calor que estivesse nos últimos dias em São Paulo, estava preparado pro calor que fez durante a prova. Largamos às 09:00hs da manhã (horário totalmente fora dos padrões, a maioria das corridas larga as 07:00hs, até mais cedo!), e vou falar tudo que aconteceu em tópicos, pra vocês saberem vários detalhes, eheheh:

  • A largada é uma farra, conseguimos correr logo depois do pórtico de largada, o que é raro numa São Silvestre tão cheia. Normalmente rola uma pequena caminhada, mas não aconteceu.
  • No viaduto da Dr. Arnaldo foi extremamente emocionante ver a galera cantando “VAMO VAMO CHAPEEEE” em homenagem aos mortos e feridos no trágico acidente de 2016,  fiquei muito arrepiada e gritei muito junto com a galera. Despertar essas emoções dá mais garra pro corredor. Foi muito lindo.
  • A descida pro Pacaembu é uma delícia, hora de dar um sprint de leve, olhar o MAR de gente que se forma.
  • Na Avenida Pacaembu começou o drama. É uma avenida arborizada, mas mesmo assim o calor estava judiando… já fiquei apreensiva porque sabia que boa parte do restante do percurso seria descoberto…
  • Rolou um ponto de Hidratação super tumultuado, bagunçado… porque passou uma distância gigante da largada sem água (acho que uns 4km), e a reposição foi sofrida… tinham caixas fechadas de água mas ninguém colocava pra gelar, um absurdo! Resultado: pouca água, e água meio quente. Mas tudo bem, pensamos que mais pra frente ia melhorar, rolar uns Gatorade…
  • Os viadutos da região da Barra Funda são sofridos, não tem sombra, só sofrimento, hahahaha! Mas conseguimos seguir correndo, com muito custo. Estava quente demais e era difícil manter o ritmo. A galera da Gaviões da Fiel sempre presente (ano passado também estavam, e sou corintiana, mores), e dei meu gritinho de “Vai Curintia”. Sou dessas.
  • Nessa hora, esperamos um isotônico, que é muito necessário em provas de mais de 10km. Olhei um termômetro de rua que marcava 31 graus. Medo. Como só teve mais um ponto de hidratação com água, igualmente tumultuado e com água quente, uma guerra pra pegar, dissolvemos os géis de carboidrato que levamos pra dar um gás lá pelo 7,5km.
  • Calor, calor, calor… chegando na região do Centro da cidade, vendo que não ia rolar hidratação nem isotônico (lembrando que ano passado, na mesma São Silvestre, a hidratação foi super ok e isotônico a cada 3km, mais ou menos), tivemos que parar numa vendinha e comprar uma garrafa de Gatorade.. foi um alívio, um bálsamo… já estava sentindo as pernas meio bambas…
  • Mas continuou difícil, estava quente demais, muita gente… uma hora olhei pra um bar e uns corredores pararam pra beber cerveja (gente, eu amo corredores, sério), e eu falei “poxa, nem precisava ser cerveja, eu só queria uma coca-cola”, aí um colega corredor me ofereceu um copo d´água. Solidariedade é uma benção e é por isso que eu amo a tribo corredora, sempre rola esse tipo de coisa. 🙂
  • O percurso foi um pouco diferente e quando menos esperei, estávamos na fatídica subida da Brigadeiro. Nesse ponto deixei a Carina, que correu comigo até então, manter o ritmo dela e diminuí o meu, estava muito cansada… precisava de água de novo, mas o ponto de hidratação NÃO TINHA MAIS ÁGUA, e o pessoal dizendo que só ia ter de novo na Paulista… ah, que beleza. Depois de 2,5km de subida, tem água, que beleza… aff… (lembrando que a inscrição custou 160 pilas, ok?)
  • Fui no ritmo da velhinha: devagar, trotando mambembe, toda arqueada, suada… foi um sofrimento… mas sabia que uma hora ia aparecer a Paulista, tinha como ponto de referência o Bradesco da Brigadeiro… e ele chegou, aí aumentei o ritmo.
  • Na subida mais devagar da história, consegui pegar meu celular e ver no meu Whatsapp que meu pai estava me esperando na Paulista. Ele foi assistir a chegada da prova e me buscar. Foi muito emocionante, porque ao chegar na Paulista, consegui vê-lo bem de longe, numa sombrinha… fiquei muito emocionada e agradecida. Meu pai foi um dos meus grandes incentivadores e vamos ao Parque Ibirapuera juntos sempre… depois que o localizei, comecei minha prece de agradecimento e vi o pórtico de chegada… aí, mais uma vez, como em 2015, não deu pra conter o choro… e dessa vez, acho que pelo sofrimento da prova, chorei de soluçar… agradeci a Deus, a família, ao namorado e aos amigos… não tem UMA pessoa do meu convívio que não me incentive… sou cercada de bençãos e ter saúde pra completar uma prova tão difícil é mais uma prova que Deus me ama demais.
  • Atravessei o pórtico e o tempo marcava mais de 2 horas e meia de prova… como a largada demorou, nem sei qual foi meu tempo, mas foi um alívio terminar. Estava feliz com qualquer tempo e terminei super bem. Só tivemos que andar PRA CARAMBA pra pegar medalha e “kit” pós prova.
  • Coloquei “kit” porque o que recebemos foi uma água que estava meio escondida nas laterais da Paulista e muitos corredores sequer notaram, e um kit, me perdoem a raiva, RIDÍCULO, com um torrone e uma barra de cereal. Sério, quando se termina uma prova tão longa, o MÍNIMO que se espera é uma banana pras cãimbras, uma maçãzinha refrescante e um isotônico ou água de côco pra repor as energias e ir pra casa. Lembrando que foram CENTO E SESSENTA REAIS de inscrição, ok?
  • Comi o torrone mais puxento da história, aquilo não descia nem com água… sorte que meu pai me esperava (BRIGADO PAI) com uma coca geladinha e uma garrafona de água… sério, não é pra amar demais um pai desses? Bebi como se fosse, perdoem o trocadilho, a última coca gelada do deserto!!!
  • Ele disse que ficou espantado em como eu estava bem após a prova, e realmente eu me sentia bem. Estava cansada, mas sem dores, a coxa que estava machucada semanas antes nem doeu!!!

15800230_1425852364091418_1845747546198270514_o

  • Medalha LINDÍSSIMA, acho que uma das mais bonitas que tenho, pra não dizer que só falei mal da organização. Pretendo correr várias São Silvestre ainda, mas espero uma organização melhor nos próximos anos.

Descansei a tarde toda e ainda consegui ir a festa de Ano novo… mas no dia seguinte, não prestei pra nada: cansada, com muuuuito sono, devagar quase parando, dor nas duas panturrilhas… mas já melhorei.

E agora eu quero falar sobre o #npp96 e o novo #npp. Bem, fiz o #npp96 como um desafio experimental de 96 dias, sob minha supervisão, com várias participantes, até mais do que eu esperava! Mandei vários materiais via e-mail que foram importantes pra mim durante esses dois anos e meio, fizemos um grupo super unido no Whatsapp, foi sensacional e fez muitas meninas terem progressos não apenas na perda de peso, mas sim na conscientização de melhorar seus hábitos! Um grande sucesso!!!

Agora, dia 09 de janeiro, inicio o #nppverão. Um mês de desafio pauleira, pra começar o ano no PIQUE TOTAL. Eu estou numa dieta bem restrita e quero continuar nesse ritmo, e vou encher o blog de posts e o instagram e o stories (@marilianaopodeparar, ME SIGAMMM) de posts e fotos inspiradoras pra vocês!!!

Nesse desafio, vamos focar numa boa REEDUCAÇÃO ALIMENTAR, sem lowcarbs, sem chás milagrosos e águas incríveis, vamos focar no que realmente importa, que é alimentação equilibrada, completa, que deixa a gente feliz e animado pro dia-a-dia, sem inventar moda!!! 

E os exercícios também entram na onda. Quero dar uma forcinha pra galera que está querendo começar a correr, então penso em fazer algo em relação a isso, vai ser incrível!!!

Fiquem ligados aqui no blog que vou dar as instruções essa semana ainda!!! Vamos juntos! 2017 já começou e eu quero ver todo mundo animado em busca de uma vida saudável! Não pode parar!!!

Anúncios

4 comentários sobre “São Silvestre e o novo Desafio #npp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s